Assine a
Newsletter
Semanal

Nome
Email

Receba
Atualizações
Diárias

Email
Inscreva-se

terça-feira, agosto 31, 2010

Teoria do bolo de chocolate



por Marcelo Gross

Suponhamos que você entre em casa e encontre um delicioso bolo de chocolate sobre a mesa.



A pergunta é:

Como surgiu o bolo de chocolate?



Teoria 1 - Hipótese Criacionista

Alguém que sabe fazer bolo de chocolate, foi na dispensa, pegou ovos, manteiga, farinha, leite, açúcar, fermento e chocolate, pôs em uma forma, misturou-os na medida certa, levou ao forno na temperatura de correta, e após o tempo necessário, retirou o bolo do forno e o pôs propositalmente sobre a mesa, para você o ver.



Teoria 2 – Hipótese naturalista.

Segundo os naturalistas ateus, essa teoria é muito simples, e porque não dizer, muito obvia:

O caminhão do Supermercado Vargas estava fazendo entregas, quando foi fechado por uma criança de bicicleta.

Tentando desviar da criança, o motorista girou muito o volante e deu uma freada brusca, o que o fez perder o controle do caminhão, que começou a capotar.

À medida que o caminhão capotava, dentro da carroceria, as caixas de ovos se abriram, bem como os sacos de farinha, as latas de chocolate em pó, as caixas de leite, os tabletes de manteiga, os fardos de açúcar, as latas de fermento em pó e o chocolate granulado.

Enquanto o caminhão capotava, esses elementos iam se misturando de forma homogênea.

Dentro da carroceria do caminhão, havia também um cantil, que fora esquecido ali por um dos carregadores.

Com o movimento do caminhão, o cantil partiu ao meio, e todos os elementos acima mencionados, mesclados na proporção correta, caíram dentro desse cantil.

Com o acidente, o caminhão explodiu, e incendiou.

Após o termino de 40 minutos, os bombeiros finalmente chegaram, e conseguiram conter o fogo.

Ao abrirem a carroceria, e para surpresa deles, estava lá, por obra do acaso, um lindo bolo de chocolate!.. .

Conclusão
Acontece, que o bolo de chocolate possui em média 12 elementos, uma célula possui acima de 2.000.000 de elementos, e nós somos informados de que a célula surgiu espontaneamente, e o surgimento aleatório de um bolo de chocolate é uma idéia ridícula...

Gênesis 1:1 NO princípio criou Deus os céus e a terra. ACF

segunda-feira, agosto 30, 2010

Luteranos Insatisfeitos Formam Novo Grupo



A Igreja Luterana da América do Norte (NALC) nasceu após uma votação

Na sexta-feira, mais de 1.100 luteranos, muitos dos quais vieram da Igreja Evangélica Luterana na América, fundaram uma nova denominação.

A Igreja Luterana da América do Norte (NALC) nasceu após uma votação impressionante durante uma assembléia em Grove City, Ohio. "Nosso novo modelo do Senhor no cenário Luterano não apenas na América do Norte, mas por todo o mundo, é impressionante e empolgante," afirmou o reverendo Mark Chavez de Landisville, Pensilvânia. "Tem sido maravilhoso testemunhar a alegria e o entusiasmo de tantos luteranos de ir adiante para fazer o mais importante – proclamar Jesus Cristo e Seu evangelho, fazendo novos discípulos."

Luteranos conservadores começaram a formar o novo grupo em 2009, algumas semanas após a Igreja Evangélica Luterana na América (ELCA) dar sinal verde para que gays e lésbicas, não solteiros, pudessem atuar no sacerdócio. Ao longo do último ano, centenas de congregações cortaram relações com a ELCA, que é a maior denominação luterana no país, com 4,5 milhões de membros.

No último ano, a ELCA sofreu sua maior queda no número de membros, com 90.000 membros a menos que no ano anterior.

A votação na sexta-feira para a formação de um novo grupo aconteceu durante a Convocação Anual da Coalizão para Renovação Luterana, um grupo de renovação que procura reformular a Igreja luterana de acordo com a Sagrada Escritura e as Confissões Luteranas.

Líderes da Coalizão para Renovação Luterana afirmaram que os problemas na ELCA não estão relacionados com o comportamento sexual, mas sim com o avanço de um movimento de distanciamento da autoridade e dos ensinamentos da Bíblia por toda parte da Igreja Evangélica Luterana na América. Mas eles devem ter notado que a votação sobre a sexualidade "abriu os olhos de muitos para o distanciamento da ELCA dos ensinamentos bíblicos."

"A questão que ficou realmente evidente foi a da sexualidade, mas por trás disso estava o problema maior: quem tem a voz de comando da Igreja hoje em dia?" afirmou Paull Spring, primeiro bispo da NALC, como foi publicado pela Imprensa Associada.

"É a Sagrada Escritura, a qual os luteranos sempre admitiram; Escritura somente; ou seria uma combinação, que pode também variar com o tempo?" propõe ele.

Representantes da Igreja Evangélica Luterana na Tanzânia e a Igreja Evangélica Mekane Yesus da Etiópia – que são a segunda e terceira maiores Igrejas Luteranas no mundo – participaram da convocação e mostraram apoio ao novo grupo.

Spring comentou, "A presença deles entre nós é um lembrete de que não estamos sós em nosso ministério e que nós pretendemos formar laços e relações fortes com outras comunidades cristãs à medida em que avançamos com a Igreja Luterana da América do Norte."

Na sexta, líderes provisórios foram eleitos para um período de um ano. Participantes também adotaram uma constituição para a Igreja Luterana da América do Norte e votaram para solicitar o ingresso na Federação Luterana Mundial.

Fonte: Christian Post

Assista a uma entrevista exclusiva com Maria Magdalena e Jesus Cristo





Com Barrabás como protagonista, José Roberto Torero faz versão pop do Novo Testamento


Renato Lemos*

O escritor José Roberto Torero / Leonardo Aversa

RIO - Ladrão, assassino, rebelde e salteador. Depois de ler os quatro evangelhos, José Roberto Torero voltou nas páginas e passou o marcador de texto em cima dos adjetivos grudados ao nome de Barrabás. Até então, ele estava na dúvida sobre quem seria o protagonista da sua versão para o Novo Testamento. Pensou em Maria Madalena, em Judas e até em Jesus Cristo, mas achou todos óbvios demais. Barrabás - um homem sobre quem sabia-se muito pouco além dos tais adjetivos - não era nada óbvio. Barrabás era o cara.

- Ele era mais amado que Jesus! Quando o povo teve que escolher, escolheu Barrabás - diz o escritor, que trabalhou em dupla com Marcus Aurelius Pimenta, seu parceiro em mais de dez projetos literários. - O bom de um personagem assim, com tão pouca informação, é que se pode criar toda a história dele. Os coadjuvantes são os melhores narradores de uma história.

Ele era mais amado que Jesus! Quando o povo teve que escolher, escolheu Barrabás

Torero tem uma queda pelos coadjuvantes. Foi assim com seu livro de maior sucesso, "O Chalaça", que narrava a história do Brasil Império na visão de um obscuro conselheiro de Pedro I. Cosme Fernandes, o degradado que chega escondido em uma das caravelas de Pedro Álvares Cabral, era o protagonista de "Terra Papagalli". "Os vermes" era narrado por um verme, claro. E até "Os cabeças de bagre também merecem o paraíso", seleção de crônicas e biografias inventadas, deixava os craques de lado e falava de coadjuvantes em um time de futebol. "O Evangelho de Barrabás", que está sendo lançado pela editora Objetiva, vai mais ou menos pelo mesmo caminho.

O livro, é bom que se diga logo, não é para ser levado a sério. Os autores narram a história de Barrabás desde seu nascimento - também fruto de uma concepção imaculada, ainda que menos idílica - até a crucificação de Jesus. Eles levaram três anos e meio e escreveram 17 versões. O texto junta referências bíblicas (o "Canto dos cânticos", por exemplo, é transformado em uma cantada amorosa), expressões da época, informações de enciclopédia, Padre Antônio Vieira e muito humor.

'O evangelho de Barrabás', de José Roberto Torero e Marcus Aurelius Pimenta / Divulgação

- Eu nunca tinha lido o Evangelho e descobri que é uma leitura maravilhosa. No primeiro não há alusão à virgindade de Maria e nem Cristo ressuscita - diz Torero, que vive em São Paulo, mas esteve de passagem pelo Rio na semana passada, quando conversou com o GLOBO sobre o livro.

Torero e Marcus Aurelius, ambos jornalistas, misturam personagens reais e fictícios, descritos em falsos perfis. Assim, Barrabás, após perder os pais (uns tais de José e Maria) no massacre de Genesaré (um episódio verdadeiro), será criado por Atronges (um ladrão que realmente existiu) e um bando de malucos que parecem tirados de um filme dos Trapalhões.

A pesquisa que sustenta a narrativa dá de lambuja ao leitor informações geográficas e religiosas. Torero conta que as reuniões de criação - em que o mais difícil é convencer as respectivas mulheres a ficarem de fora - são muito divertidas. Os dois não têm escrúpulos em mexer nos textos um do outro, sempre que humor e ritmo exigem. Além das fontes formais, trabalham com a memória afetiva e um monte de referências pop.

- Se tivesse que comparar o livro a um filme, seria "A vida de Brian", do Monty Python - diz Torero, que é roteirista de filmes como "Pequeno dicionário amoroso" e de programas de TV como "Retrato falado".

Logo que saiu da faculdade, Torero foi trabalhar na "Mens Sana", revista católica bancada pelo Frei Albino Aresi, um religioso crente nos poderes paranormais. Torero fazia revisão, diagramava, desenhava quadrinhos e escrevia artigos em nome do frei. Era um ghost writer, ainda que o Frei Aresi jamais admitisse a existência de um. Ele foi o contato mais íntimo de Torero com a Igreja desde o batismo.

- Aos 15 anos, passei a duvidar de tudo. Aos 20, virei ateu - diz o autor, ansioso com a repercussão do livro. - Acho democrático: será capaz de desagradar igualmente a católicos e judeus (o vídeo promocional já faz barulho na internet).

Marcus é filho de protestantes e capaz de citar passagens da Bíblia de cabeça. Já Torero foi batizado, mas não fez Primeira Comunhão. Sua mãe já foi católica, já foi mística, não tem medo de umbanda e agora é seguidora do guru indiano Sai Baba. Nada que influenciasse o filho. Em 47 anos de vida, a única religião que merece a devoção de Torero é o Santos Futebol Clube:

- Olha o Neymar, cara... No Neymar eu acredito.

* Especial para O GLOBO

Fonte O GLOBO

domingo, agosto 29, 2010

Jesus Camp - Terror infantil




Imbecilização é a única palavra que me vem a mente para definir o conteúdo desse documentário, pessoas de uma nação cuja educação é das mais avançadas do mundo com um pensamento fundamentalista, mostrando uma "espiritualidade" medonha, deturpando a bíblia e o próprio Deus com rituais totalmente insanos.

Promoção de histerias coletivas, crianças fazendo coisas de forma tão forçosa, falta de respaldo na Palavra. Tantas coisas bizarras que não merecem o nome do protestantismo. É exatamente esse tipo de espiritualidade circense que termina com dezenas de pessoas mortas por suícidio como já ocorreu com outras seitas.

Não se enganem! Cristo não tem nada a ver com essa imbecilidade promovida por essas pessoas desequilibradas.

E a minha angústia é que isso já faz parte da nossa cultura brasileira, a idiotização religiosa, a feitiçaria gospel, os chiliques que nada tem a ver com o Espírito, tudo isso já tem profundas raízes por aqui, basta ver os pastorinhos e pastorinhas do youtube, falando e fazendo tantas coisas em nome de um Deus que nem ao menos conhecem.

GERAÇÕES podem ser perdidas por essas práticas macabras e pensamentos retrógrados.

Que Deus tenha misericórdia das nossas crianças!

sábado, agosto 28, 2010

Quais são as falsificações da santificação?



por Thomas Watson (1620 - 1686)

Há coisas que parecem santificação, mas não são.

a. A primeira imitação da santificação é a virtude moral

Ser justo, temperante, de bom comportamento, não ter a fama manchada com um escândalo vergonhoso é bom, mas não é o suficiente, não é santificação. Um campo florido é diferente de um jardim. Pagãos se apegaram à moralidade, como Catão, Sócrates e Aristides.90 A boa educação é somente uma natureza refinada, não há nada de Cristo nela, o coração pode ser impuro e abominável. Debaixo dessas folhas de boa educação, o verme da descrença pode estar escondido. Uma pessoa virtuosa tem uma antipatia secreta contra a graça, odeia o vício e também a graça tanto quanto o vício. A serpente tem uma bela cor, mas pica. Uma pessoa enfeitada e alimentada com uma virtude moral pode ter um afeto secreto contra a santidade. Os estóicos, que eram os principais pagãos moralistas, foram os inimigos implacáveis de Paulo (At 17.18).

b. A segunda imitação da santificação é a devoção supersticiosa

Isso é abundante no papado. As adorações, as imagens, os altares, as vestimentas e a água benta, coisas que eu entendo como frenesi religioso, e que estão longe da santificação. Nada disso acrescenta nenhum bem intrínseco ao homem, não faz o homem melhor. Se as purificações e as lavagens da lei, que eram orientações do próprio Deus, não fizeram daqueles que as praticaram mais santos, e os sacerdotes que vestiram vestimentas santas e tiveram óleo derramado sobre si só eram santos com a unção do Espírito, então, certamente, as inovações supersticiosas na religião, que Deus nunca orientou, não podem contribuir para qualquer santidade dos homens. Uma santidade supersticiosa não custa muito, não há nada do coração nela. Se santidade fosse dizer orações com uso de um rosário, curvar-se diante de uma imagem, benzer-se com água benta, e tudo aquilo que é requerido daqueles que crêem nessas coisas para salvação, então o inferno estaria vazio, ninguém entraria lá.

c. A terceira imitação da santificação é a hipocrisia

Hipocrisia é fingir uma santidade que se não tem. Assim como um cometa pode brilhar e se parecer com uma estrela ou como um lustre pode brilhar em seu lugar a tal ponto de ofuscar os olhos dos que o contemplam. "Tendo forma de piedade, negando-lhe, entretanto, o poder" (2Tm 3.5). São lâmpadas sem óleo, sepulcros caiados como os templos egípcios que eram bonitos do lado de fora, mas dentro havia todo tipo de podridão. O apóstolo fala da santidade verdadeira em Efésios 4.24, implicando que há uma santidade que é espúria e fingida. "Tens nome de que vives e estás morto" (Ap 3.1), são como quadros e estátuas destituídas de um princípio vital: "Nuvens sem água" (Jd 12). Fingem estar cheios do Espírito, mas são nuvens vazias. Isso mostra a santificação como uma auto-alucinação. Quem pega o cobre no lugar do ouro engana a si mesmo. Os santos mais falsos enganam os outros enquanto vivem, mas enganam a si mesmos quando morrem. Fingir a santidade quando não há nenhuma é uma coisa vã. Que vantagens levaram as virgens néscias que tinham lâmpadas fulgurantes quando precisaram de azeite? Qual é a utilidade de uma lâmpada sem o azeite da graça salvadora? Que consolo uma demonstração de santidade trará no final? Será que algo pintado com a cor de ouro pode enriquecer? A pintura de água pode refrescar aquele que está com sede? Ou a santidade imaginária será um sofrimento na hora da morte? Não se deve acomodar com uma pretensa santificação. Muitos navios que tinham o nome de Esperança, Triunfo e Vigilante foram lançados contra as rochas, assim, muitos que tiveram o nome de santos foram lançados no inferno.

d. A quarta imitação da santificação é a graça suprimida

Isso acontece quando os homens se abstêm do vício, embora não o odeiem. O lema de um pecador pode ser assim: "Eu estaria disposto, mas não tenho coragem". O cão só pensa no osso, mas tem medo do bastão, assim os homens têm a mente para a luxúria, mas suas consciências se posicionam como aquele anjo com uma espada flamejante e, assim, ela os amedronta: eles têm a mente para a vingança, mas o medo do inferno é como um freio de cavalo que os adverte. Não há mudança de coração, o pecado é freado, mas não exterminado. Um leão pode estar enjaulado, mas ainda é um leão.

e. A quinta falsificação da santificação é a graça comum

É uma obra tênue e passageira do Espírito, mas que não ajuda na conversão. Há um pouco de luz em um julgamento, mas não o é para a humilhação pessoal. Alguns têm peso na consciência, mas não acordam.

Parece santificação, mas não é. Os homens têm as convicções formadas neles, mas abrem mão dessa convicção, como o animal que, ao ser flechado, livra-se da flecha. Depois da convicção, os homens vão à casa da alegria, pegam a harpa para expulsar o espírito de tristeza e tudo morre e não se chega a nada.

sexta-feira, agosto 27, 2010

Sinergismo não é Pelagianismo




Sinergismo significa na teologia cristã a teoria de que o homem tem algum grau de participação na salvação, ou seja, é responsável pela sua salvação ou perdição. Os pais da igreja grega dos primeiros séculos do cristianismo e muitos dos teólogos católicos medievais eram sinergistas. Philip Melanchthon, companheiro de Lutero na reforma alemã, era sinergista, embora o próprio Lutero não fosse.

O oposto do Sinergismo é o monergismo, que corresponde à teoria de que o homem não tem nenhuma responsabilidade em sua própria salvação, sendo salvo ou condenado exclusivamente pela decisão soberana de Deus. Os pensadores cristãos de diversas épocas desenvolveram diferentes formas de sinergismo, tais como o pelagianismo, o semipelagianismo e o sinergismo arminiano, entre outros.

Pelagianismo: forma de sinergismo atribuída a Pelágio da Bretanha, um contemporâneo de Santo Agostinho. O pelagianismo nega a existência do pecado original. Assim, se não há pecado original, não há total depravação e todos os homens poderiam chegar à salvação pela simples prática das boas obras. O pelagianismo foi amplamente condenado em diversos concílios, tais como os de Cartago, Milevis e o 2º Concílio de Orange, em 529DC.

Semipelagianismo: forma de sinergismo ensinada pelos massilianos, principalmente João Cassiano (360-435). Mesmo com a vontade depravada, o homem ainda teria um poder residual para dar os primeiros passos em direção à salvação, mas não para completá-la. O semipelagianismo também foi condenado como heresia no 2º Concílio de Orange, em 529DC.

Ao contrário do semipelagianismo e do pelagianismo, o sinergismo arminiano afirma a total depravação do homem em seu estado natural. De fato, com relação à depravação total, não há diferença entre o calvinismo e o arminianismo. O homem é totalmente incapaz, até mesmo, de desejar se aproximar de Deus. Para Armínio, a salvação é pela graça somente e por meio da fé somente. Mesmo para dar os primeiros passos em direção a Deus o homem precisa da graça preveniente, que foi tornada disponível a todos os homens graças à obra redentora de Jesus Cristo. Portanto, a participação do homem em sua própria salvação consiste apenas em não resistir a Deus. Todavia, nenhum homem nasce com essa capacidade de não resistir à Deus, já que todos nascem totalmente depravados, com sua natureza corrompida devido ao pecado de Adão. É a graça preveniente, outorgada por Deus a todos os homens, que restaura neles essa capacidade de escolherem a Deus, se quiserem.

Portanto, para Armínio e os chamados "arminianos do coração", entre os quais podem-se citar Simon Episcopius, John Wesley, John Miley, Richard Watson, William Burton Pope e Ray Dunning, nenhum homem nasce com o livre-arbítrio, ou seja, a livre capacidade de decidir aceitar a salvação oferecida por Deus. É exatamente neste ponto que o sinergismo arminiano clássico se diferencia do pelagianismo e do semipelagianismo. Ao contrário, para Armínio, é a graça preveniente que restaura em todos os homens essa capacidade. Portanto, a expressão "livre-arbítrio", tão comumente associada à teologia de Armínio, deve ser entendida como "arbítrio liberto" ou "vontade liberta" pela graça preveniente, capacitante e cooperante.

Alguns teólogos conhecidos como arminianos desviaram-se das idéias originais de Armínio e passaram a defender posições pelagianas e semipelagianas. São os "arminianos da cabeça", que seguiram as idéias do holandês Philip Limborch. Devido a esse fato, a teologia arminiana é comum e erroneamente associada ao pelagianismo e ao semipelagianismo.

Retirado do Blog Pb. Wanderley Santana

quinta-feira, agosto 26, 2010

Uma releitura de Malaquias, o profeta incompreendido pela Igreja - Parte 5



Confira a sequência desse estudo: Parte 1 /

Do adultério

"
Há outra coisa que vocês fazem: Enchem de lágrimas o altar do Senhor; choram e gemem porque ele já não dá atenção às suas ofertas nem as aceita com prazer." Malaquias 2:13

O matrimônio tem uma grande importância para Deus, não obstante é através dos símbolos da noiva e do noivo que Ele mostra a sua aliança para com a Igreja. Tantas vezes Deus e principalmente o Filho fazem essa comparação, seja em parábolas ou em simbolismos o casamento sempre se faz presente pela bíblia toda. Começando em Adão e Eva e finalizando no encontro do Noivo, Jesus Cristo, com a Noiva, a Igreja nos céus.

Podemos contar ainda com o episódio narrado pelo profeta Oséias, em que Deus ordena que o mesmo case-se com uma prostituta simbolizando a sua relação com Israel, prostituindo-se com outros deuses, quebrando a aliança com o Senhor.

Adultério
A instituição do casamento é tão importante no plano divino, que a primeira cerimônia é celebrada pelo próprio Senhor, no Jardim do Éden, assim como a última cerimônia, que será nos céus. Grandes homens de Deus foram tentados e acabaram por cair nesse pecado, como por exemplo Davi, homem segundo o coração de Deus, mas que se entregou a esse sentimento pernicioso e acabou por sofrer duras consequências dos seus atos. Não poucas vezes ao listar os pecados que os homens cometem o adultério é presente. Deus valoriza tremendamente uma aliança, quanto mais a aliança inquebrável do casamento.

Os homens nos tempos de Malaquias ao que parece estavam desprezando a mulher que uma vez na juventude selaram uma aliança, tornando-se um só corpo, para prostituir-se com outras mulheres, e tendo como consequência a indiferença de Deus. Choravam, lamentavam e ofereciam sacrifícios, porém o Senhor não é cego e surdo, conhecendo intimamente estes homens, desejando não atos religiosos, mas arrependimento sincero.

Uma coisa repugnante
Além do adultério, Deus define como repugnante a união dos Judeus com mulheres que servem a outros deuses que não o Senhor, e seu destino é que sejam lançados para fora do meio do povo e nem mesmo sacrifícios oferecidos poderiam reverter tal situação (verso 12). Isso mostra como Deus preocupa-se com o seu povo, pois é extremamente perigosa a associação dos seus filhos com outros deuses. Não nos enganemos, o Senhor exige exclusividade.

Divórcio
"Eu odeio o divórcio" - palavras do próprio Senhor no verso 16. Banalizou-se o divórcio no meio do povo, o próprio Jesus alerta para isso como podemos ver em Lc 16:18. Isso diz muito sobre a visão de Deus a respeito do casamento, é seu plano que "Aquilo que ele mesmo uniu" o homem não deve separar de forma alguma. Uma pequena brecha, que de maneira nenhuma pode ser entendida como uma regra é no caso de adultério, mas tenho plena convicção que o plano de Deus é o perdão e união "até que a morte os separe".

A igreja não é prostituta!
Quantas vezes fazemos da igreja essa abominação que o próprio Deus condena através do profeta Malaquias quando fala ao povo de Israel! Permitimos associações imundas com outros deuses (dinheiro, políticos corruptos, falsos profetas), são tantas pessoas que trafegam pelo Corpo de Cristo com livre passagem, mas que na verdade servem outros deuses, e nós, como Igreja, toleramos tais homens sendo que deveríamos fazer como o próprio Senhor instruiu, lançá-los para fora do nosso meio.

Acobertamos o adultério dos nossos líderes, tanto da sua relação conjugal quanto o adultério da Palavra de Deus. Negociando valores Eternos por meros prazeres transitórios, apenas para saciar as nossas tão pungentes necessidades.

Toleramos o divórcio como sendo algo normal e natural, criamos uma graça que é mais desgraça para o homem, destruímos relacionamentos, famílias e vidas ao invés de construir uma solidez nas relações entre homens e mulheres. Divorciamos a Palavra de Deus das nossas vidas, criamos uma divisão daquilo que é sacro transformando tudo o mais em profano, quando a vontade de Deus é ser tudo em todos. Divorciamos os valores morais eternos das nossas paixões lascivas e carnais.

O Pai abomina as relações pecaminosas dos homens, e muito mais aqueles que querem transformar a Noiva numa prostituta.

Que possamos nos purificar e santificar a cada dia, para que não prostituamos a Igreja de Jesus Cristo.

terça-feira, agosto 24, 2010

'Não é piada, é a realidade', diz Tiririca sobre slogan de campanha



FERNANDO GALLO
FOLHA DE SÃO PAULO

Francisco Everaldo Oliveira Silva, o palhaço Tiririca, 45, provoca risos e indignação desde que a campanha eleitoral começou na TV.

Com o slogan "Vote Tiririca, pior que tá, não fica", ele vai às urnas para tentar uma vaga como deputado federal pelo Estado de São Paulo.

É a grande aposta do PR no pleito, tanto que ganhou a legenda de mais fácil memorização: 2222.

Folha - Por que você decidiu se candidatar?

Tiririca - Eu recebi o convite há um ano. Conversei com minha mãe, ela me aconselhou a entrar porque daria pra ajudar as pessoas mais necessitadas. Eu tô entrando de cabeça.

De quem veio o convite?

Do PR.

Como foi?

Por eu ser um cara popular, eles acreditaram muito, como eu também acredito, que tá certo, eu vou ser eleito.

Sabe o que o PR propõe, como se situa na política?

Cara, com sinceridade, ainda não me liguei nisso aí, não. O meu foco é nessa coisa da candidatura, e de correr atrás. E caso vindo a ser eleito, aí a gente vai ver.

Quais são as suas principais propostas?

Como eu sou cara que vem de baixo, e graças a Deus consegui espaço, eu tô trabalhando pelos nordestinos, pelas crianças e pelos desfavorecidos.

Mas tem algum projeto concreto que você queira levar para a Câmara?

De cabeça, assim, não dá pra falar. Mas como tem uma equipe trabalhando por trás, a gente tem os projetos que tão elaborados, tá tudo beleza. Eu quero ajudar muito o lance dos nordestinos.

O que você poderia fazer pelos nordestinos?

Acabar com a discriminação, que é muito grande. Eu sei que o lance da constituição civil, lei trabalhista... A gente tem uma porrada de coisa que... de cabeça assim é complicado pra te falar. Mas tá tudo no papel, e tá beleza. Tenho certeza de que vai dar certo.

Quem financia a sua campanha?

Então... o partido entrou com essa ajuda aí... e eu achei legal.

Você tem ideia de quanto custa a campanha?

Cara, não tá sendo barata.

Mas você não tem ideia?

Não tenho ideia, não.

Na propaganda eleitoral você diz que não sabe o que faz um deputado. É verdade ou é piada?

Como é o Tiririca, é uma piada, né, cara? 'Também não sei, mas vote em mim que eu vou dizer'. Tipo assim. Eu fiz mais na piada, mais no coisa... porque é esse lance mesmo do Tiririca.

Mas o Francisco sabe o que faz um deputado?

Com certeza, bicho. Entrei nessa, estudei para esse lance, conversei muito com a minha mãe. Eu sei que elabora as leis e faz vários projetos acontecer, né?

O que você conhece sobre a atividade de deputado?

Pra te falar a verdade, não conheço nada. Mas tando lá vou passar a conhecer.

Até agora você não sabe nada sobre a Câmara?

Não, nada.

Quem são os seus assessores?

Nós estamos com, com, com.... a Daniele.... Daniela. Ela faz parte da assessoria, junto com.... Maionese, né? Carla... É uma equipe grande pra caramba.

Mas quem te assessora na parte legislativa?

É pessoal do Manieri.

Quem é o Manieri?

É... A, a, a.... a Dani é que pode te explicar direitinho. Ela que trabalha com ele. Pode te explicar o que é.

Por que seu slogan é 'pior que tá, não fica?

Eu acho que pior que tá, não vai ficar. Não tem condições. Vamos ver se, com os artistas entrando, vai dar uma mudança. Se Deus quiser, pra melhor.

Esse slogan é um deboche, uma piada?

Não. É a realidade. Pior do que tá não fica.

Você pretende se vestir de Tiririca na Câmara?

Não, de maneira alguma.

Quem é o seu espelho na política?

Pra te falar a verdade, não tenho. Respeito muito o Lula pelo que ele fez pelo nosso país. Ele pegou o país arrasado e melhorou pra caramba.

Fora ele...

Quem ele indicar, eu acredito muito. Vai continuar o trabalho que ele deixou aí.

Então você vota na Dilma.

Com certeza. A gente vai apoiar a Dilma. Ele tá apoiando e a gente vai nessa.

Não teme ser tratado com deboche?

Não, cara. Não temo nada disso. Tô entrando de cabeça, de coração. Tô querendo fazer alguma coisa. Mesmo porque eu sou bem resolvido na minha profissão. Tenho um contrato de quatro anos com a Record. Tenho minha vida feita, graças a Deus. Tem gente que aceita, mas a rejeição é muito pouca.

Se for eleito, vai continuar na TV?

Com certeza, é o meu trabalho. Vou conciliar os dois empregos.

Em quem votou para deputado na última eleição?

Pra te falar a verdade, eu nunca votei. Sempre justifiquei meu voto.

Fonte: FOLHA.com

--
Pra quem acha engraçado votar no Tiririca...

E o interessante é que que o convite veio do partido político, com o único e exclusivo intuito de angariar votos e não apenas eleger o Tiririca mas uma corja de gente que nem ao menos sabemos os nomes, mas que entrarão devido aos cálculos de "Quociente Eleitoral" e "Quociente Partidário". Saiba mais aqui.

O futuro do nosso país não é palhaçada.

segunda-feira, agosto 23, 2010

Rompendo a redoma da igreja



"Mas os que andavam dispersos iam por toda a parte anunciando a palavra." Atos 8:4

Um organismo precisa respirar para continuar vivo. A respiração é um movimento de mão dupla. Inspiramos e aspiramos. O ar entra por nossas narinas, atravessa nossa traquéia, e enche nossos pulmões, para depois ser devolvido à atmosfera.

Tente manter o ar preso em seus pulmões por alguns segundos. Você vai ficando vermelho, seus olhos começam a lacrimejar, até que você não agüenta mais e solta o ar.

Não é simplesmente do ar que necessitamos, mas da entrada e saída ininterrupta deste ar. Sem ar pra respirar, morremos. E prendendo o mesmo ar dentro de nós, também morremos.

A igreja de Cristo é um organismo vivo que também necessita respirar.

Em Seu discurso de despedida, Jesus garantiu aos Seus discípulos que lhes enviaria o Espírito Santo a fim de fossem capacitados sobrenaturalmente a dar testemunho do Evangelho:

"Mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas, tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria, e até os confins da terra" (At.1:8).

A palavra traduzida neste texto por 'poder' é dinamus, que dá origem a alguns vocábulos em português, como dinamismo, dinâmica e até dinamite. Dinamus significa poder em movimento.

O Espírito Santo não apenas capacitaria os discípulos a testemunhar, como também os levaria a lugares e circunstâncias jamais imaginadas por eles, para que cumprissem a sua missão.

O mesmo Espírito que nos atrai a Cristo, nos transforma, também nos envia ao mundo.

Narrando sua experiência de conversão perante o rei Agripa, Paulo diz que Jesus se lhe apareceu, dizendo: "Eu sou Jesus, a quem tu persegues. Agora levanta-te e põe-te em pé. Eu te apareci por isto, para te fazer ministro e testemunha tanto das coisas que tens visto como daquelas pelas quais te aparecerei ainda. Eu te livrarei deste povo, e dos gentios, a quem agora te envio, para lhes abrir os olhos, e das trevas os converter à luz..." (At.26:15b-18a).

Observe que a comissão de Paulo se deu no exato momento de sua conversão.

O dinamus do Espírito exerce na igreja uma força centrípeta e centrífuga. Ele atrai, transforma e imediatamente envia.

Não há intervalo! Todos os que são chamados, são também enviados.

Quando o endemoninhado gadareno se viu livre de sua possessão, quis deixar tudo para seguir a Jesus, mas recebeu d'Ele outra ordem: "Volta para casa e conta quão grandes coisas Deus fez por ti" (Lc.8:39a).

No reino de Deus tudo é muito prático. Porém, quando a igreja se institucionalizou, tratou de burocratizar o que antes era promovido pela dinâmica do Espírito.

Quanto tempo de preparo precisou a mulher samaritana para atrair toda uma cidade a Cristo? Foi só o tempo de deixar seu cântaro, ir à cidade e anunciar ao seu povo: "Vinde, vede um homem que me disse tudo o que tenho feito. Poderia ser este o Cristo?" (Jo.4:29). Mesmo sabendo que Jesus era o Cristo, ela preferiu instigar aquele povo à curiosidade. Em vez de apresentar uma contundente resposta, ela instigou-os a questionar.

E aqui nos deparamos com uma importante questão: será que para testemunhar do amor de Cristo temos que esperar até que todas as nossas questões sejam respondidas?

Precisamos desburocratizar e dinamizar o processo de evangelização com urgência.

Ninguém necessita de um mestrado em teologia para anunciar aos seus amigos e familiares quão grandes coisas fez o Senhor em sua vida.

Não temos o direito de impedir o trânsito pelas portas do reino de Deus. Muitos agem como os fariseus e religiosos contemporâneos de Jesus, que se punham à porta, não entravam e não deixavam ninguém entrar. E quando alguém demonstra desejo de sair testemunhando do amor de Deus, tratam de jogar-lhe um balde de água fria.

A estes, diz o Senhor: "Mas ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! Fechais o reino dos céus aos homens. Vós mesmos não entrais, nem deixais entrar aos que estão entrando" (Mt.23:13).

Temos que manter o trânsito livre, e para isso, o caminho tem que está desobstruído.

Veja o que Jesus disse sobre isso:

"Eu sou a porta. Todo aquele que entrar por mim, salvar-se-á. Entrará e sairá, e achará pastagens" (Jo.10:9).

Há um detalhe neste verso que tem passado despercebido. O caminho para o Reino é uma via de mão dupla. Quem entra, tem que sair. E o mais surpreendente é que só depois de sair que se acha pastagens.

As pastagens não estão do lado de dentro da cidade, mas lá fora, entre os vales e montanhas da realidade social e cultural na qual peregrinamos.

Muitos acham que vão encontrar tais pastagens do lado de dentro da igreja. Por isso, entram, e não querem mais sair. Ficam viciados em igreja.

Assim como ar que respiramos tem que ser devolvido à atmosfera, temos que devolver ao mundo as pessoas que entram na igreja. Por favor, não se escandalize ainda. Continue sua leitura, e veja se o que digo não faz sentido.

Qualquer espiritualidade que não nos devolva à realidade é maléfica e alucinógena.

Se não concorda comigo, tente concordar com Cristo, que em Sua prece sacerdotal, rogou ao Pai:

"Não peço que os tires do mundo, mas que os guardes do mal. Eles não são do mundo, como eu do mundo não sou. Santifica-os na verdade, a tua palavra é a verdade. Assim como tu me enviaste ao mundo, também eu os enviei ao mundo" (Jo.17:15-18).

Não se trata de uma questão facultativa. Fomos chamados, santificados e enviados ao mundo. Os pés formosos de que diz a Escritura, são os que estão enlameados pelo chão da vida.

Cuidado pra não confundir santificação com alienação.

A igreja não pode ser uma redoma para os seus membros. Ela tem que ser um liquidificador. Experimente colocar várias frutas em seu liquidificador. Ao ligá-lo, elas serão processadas e se tornarão numa deliciosa vitamina. A hélice do eletrodoméstico exerce a força centrípeta e centrífuga. Ela atrai as frutas para si, processando-as ao mesmo tempo em que as empurra para fora. É isso que o Espírito Santo almeja fazer na igreja.

O mesmo Cristo que diz 'vinde', também diz 'ide'. E não há intervalo. A gente já vem indo, e já vai vindo.

Em vez de despendermos energia e dinheiro numa mirabolante estratégia de evangelismo (ou seria de marketing?), que tal abrir a porteira do aprisco, permitindo que as pessoas transitem normalmente pelo mundo, testemunhando o que Deus fizera em suas vidas? Haveria estratégia melhor e mais eficiente do que esta?

Elas não precisam esperar por um "ide" personalizado, vindo direto dos lábios de Cristo para elas. Não!

A bem da verdade, todos que viemos a Ele, já fomos liberados por Ele para ir. Já estamos no Caminho, indo e vindo no constante fluxo e refluxo da vida.

No texto original, Jesus não disse "ide", num tom imperativo, mas disse "indo", numa espécie de gerúndio existencial. O texto diz: "Indo por todo mundo, pregai o evangelho...". Queiramos ou não, já estamos na chuva, e quem está na chuva é pra se molhar.

O vinde é personalizado, mas o ide (ou indo) é generalizado.

Alguém poderá perguntar: E quanto aos riscos? Como enviar ao mundo pessoas despreparadas para testemunhar? Não seria melhor segurá-las o máximo de tempo possível, até que se vejam prontas?

Concordo. O risco não pode ser ignorado. Porém, vale a pena corrê-lo.

Jesus não ignorou os riscos ao enviar Seus discípulos ao mundo. Confira o que Ele diz:
"Ide. Eu vos envio como cordeiros ao meio de lobos" (Lc.10:3).

Neste texto em particular, o ide foi imperativo.

O que atenua os riscos é o fato de que o pastor das ovelhas vai à frente do seu rebanho.


"Mas aquele que entra pela porta é o pastor das ovelhas. A este o porteiro abre, as ovelhas ouvem a sua voz, e chama pelo nome às suas ovelhas, e as leva para fora. Quando tira para fora todas as ovelhas que lhe pertencem, vai adiante delas, e elas o seguem, porque conhecem a sua voz. Mas de modo nenhum seguirão o estranho, antes fugirão dele, porque não reconhecem a voz dos estranhos" (Jo. 10:2-5).

Será lá fora, no mundão, que as ovelhas de Jesus terão suas maiores experiências com Ele. O mundo será o cenário por onde Ele as conduzirá aos pastos verdejantes, às águas tranqüilas. E mesmo quando passarem pelo vale da sombra da morte, não terão o que temer, pois Seu cajado e Sua vara as protegerão.

O que a igreja deveria fazer é procurar levar as pessoas a uma intimidade tal com o Bom Pastor, que elas jamais confundam Sua voz com a voz do estranho. Em outras palavras, temos que aprender a discernir a voz de Deus no mundo. Seja no ambiente profissional, acadêmico, familiar, ou mesmo nos corredores do poder político, será a Sua voz que guiará a nossa consciência, e, por conseguinte, as nossas atitudes.

Portanto, já está na hora de liberarmos as ovelhas do Senhor para que cumpram sua missão de transformação do mundo.

Abramos a porteira, e deixemos o trânsito livre, pra que entrem e saiam, e assim, encontrem pastagem para as suas almas.

Não há motivo pra insegurança. Quem de fato é do Senhor, jamais abandonará seu redil.


--
Não posso deixar de comentar e parabenizar a ousadia de um líder cristão em proferir tais contundentes palavras. Vivemos dias em que os líderes vão totalmente na contra-mão desse pensamento, simplesmente por medo de perder sua audiência.

Que possamos criar discípulos que tenham esse mesmo pensamento, pois é assim que o Evangelho será espalhado pelo mundo todo.

sexta-feira, agosto 20, 2010

Batalha espiritual ou Feitiçaria gospel?



Um tema sempre em voga no meio evangélico é a famigerada "Batalha Espiritual", talvez isso seja devido às profundas raízes ocultistas desde as origens da ocupação de nossa terra - tem gente que chama isso de cultura. As religiões africanas inundaram a religiosidade dos brasileiros com muitas práticas que foram abraçadas pelas religiões cristãs, criando esse paradoxo. Praticamente todos evangélicos conhecem o termo, e se não são "estudiosos" do assunto, fatalmente conhecem algum "entendido" em "Batalha Espiritual".

A base teológica é altamente frágil, como a maioria das baboseiras feitas em nome desse assunto. O texto preferido dos "soldados" é Efésios 6:12 "Porque não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais.". Não querendo entrar nos meandros da exegese bíblica, mas explicando simplificadamente, a leitura isolada desse texto, tirando-o do contexto da carta de Paulo aos Efésios, e do próprio contexto bíblico é o que tem acarretado tantas besteiras dos "guerreiros espirituais".

Algumas práticas absurdas e anti-bíblicas sobre Batalha Espiritual:

1) Brechas (pecados ocultos) que dão "legalidade" para que o diabo aja na vida de um crente.
Considerando que todos ainda pecam, mesmo após a conversão e o batismo com o Espírito Santo, afirmar isso é dizer que todos os crentes ainda estão debaixo de maldição e sob o domínio de Lúcifer. Ignoram completamente que temos um Advogado perante o Pai, que nos justifica quando pecamos. Ignoram que quando fazemos parte da família de Deus, estamos EM CRISTO, e o maligno não nos toca. Alguns afirmam que pecados ocultos e não confessados, ou ainda certos tipos de pecados é que abrem tais brechas para o inimigo. De fato, um cristão verdadeiramente salvo, não viverá sua vida desleixadamente, ignorando seus pecados e achando que engana Deus, pois se alguém está nesse estado ele não possui brechas, mas simplesmente já apostatou da fé e encontra-se sob o domínio do pecado e consequentemente do príncipe deste século. A bíblia em nenhum momento afirma que um cristão, salvo, convertido, que ainda permanece em Cristo fica debaixo de qualquer maldição ou que dá legalidade para quem quer que seja lhe tocar.

2) Conhecimento de demônios, nomes e regiões de atuação.
Ao estudar o Evangelho, em nenhum momento Jesus ou os apóstolos estão preocupados em nominar demônios, ou conhecer suas áreas de atuação, acredito que apenas quando Jesus fala da Legião de demônios que possuía um jovem é dado algum detalhe, fora disso nenhuma outra instrução além de "Essa casta de demônios só sai com Jejum e oração". Quer uma estratégia para combater possessões demoníacas? Jejue e ore. Quisera eu fosse tão simples acabar com o mal do mundo, expulsando demônios regionais, mas não é assim.

3) Atos proféticos.
Esses tais atos proféticos estão mais para simpatias do que para algo bíblico. Outro dia eu vi uma cantora gospel, bem conhecida, dizendo que Deus a instruiu a comprar botas de couro de cobra, para ela pisar a serpente. Já ouvi as histórias de gente urinando nas cidades para demarcar território como um leão faz, aluguel de helicóptero para ungir a cidade. São tantos e tantos absurdos, que nada tem a ver com a Bíblia e que Jesus nunca fez e nunca faria, porque isso é praticamente feitiçaria e não Evangelho e Poder de Deus.

4) Deus me disse...
A maioria das barbáries cometidas por pessoas que seguem essas práticas é justificada como uma instrução do próprio Deus, seja através da interpretação forçosa de algum texto bíblico, ou de alguma profetada, mas às vezes soa mais como uma alucinação, até mesmo embriaguez e quem sabe talvez uma viagem muito doida desse pessoal. Certamente quem "ouve" muito Deus falar são os psicopatas que invadem escolas e atiram em todo mundo, ou os fanáticos religiosos que amarram bombas ao próprio corpo.

5) Cultos de Libertação.
As igrejas, hoje em dia, tem semanalmente cultos chamados de "Culto de Libertação", primeiro é que me sinto desconfortável em ter cultos focados em outras coisas que não sejam a Palavra em si, mas enfim, o que acontece nesses cultos? Os crentes procuram se libertar de demônios, pecados e maldições que supostamente estão "emperrando" sua vida espiritual e/ou física (geralmente financeira). Engraçado ver que "crentes" batizados e supostamente convertidos buscam esse tipo de culto semana após semana. Será que uma pessoa de Deus precisaria continuamente se libertar dessas coisas? Não cremos nós que quando nos convertemos somos justificados, purificados, santificados e perdoados? Não acreditamos que já recebemos o Espírito Santo sobre nós? Como poderíamos continuar nos libertando do passado? O que falta é conhecimento da Palavra de Deus. A chamada "Cura Interior" tem esse mesmo princípio.

6) Profetize para a pessoa que está do seu lado.
É uma mania terrível de profetize isso, profetize aquilo durante os cultos evangélicos. Meus irmãos, acaso somos todos profetas? Acaso uma profecia vinda do Trono de Deus não se cumpre? A própria Palavra diz que o Senhor deu alguns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas, outros para pastores e mestres. Terrível coisa é banalizar as Palavras do Altíssimo. Não podemos agir como meninos, mas saber discernir e falar com coerência e correção.

Algumas frases usadas nesses "cultos":
1. Espírito Santo, és bem vindo! (ou passeia em nosso meio, ou qualquer outra coisa assim)
2. Quando você peca você dá brecha pro diabo agir na sua vida!
3. Essa noite você vai sair daqui diferente do que entrou.
4. Deus vai te fazer prosperar.
5. Diga (preencha aqui) para seu irmão do lado.
6. Respeito! Estamos na casa de Deus.
7. Se você obedecer a Deus, Ele vai te abençoar!
8. SINTA a presença de Deus aqui neste lugar.
9. Crente não pode ficar triste, irmão.
10. Deus me revelou que (preencha aqui).
11. Estou sentindo a presença de Deus (só sente isso no culto na hora do louvor).
12. Eu conheço Batalha Espiritual.
13. Fulano trabalha com Batalha Espiritual.
14. Estou vendo um demônio do lado de fulano.
15. Estou vendo um anjo do lado de fulano.
16. Estou vendo anjos/demônios aqui.
17. Jejuei pra alcançar essa benção.
18. Firmei um propósito com Deus...
19. Fiz uma aliança com Deus...
20. Profetize para a pessoa que está do seu lado...

A verdade que liberta!
"E conhecereis a Verdade e a Verdade vos libertará." João 8:32
Queridos brothers da fé, recebemos de uma vez por todas a salvação em Cristo Jesus, a Verdade encarnada, o Verbo de Deus e somos habitação do Espírito Santo de Deus. Como poderíamos nós viver nessa insegurança com relação as coisas espirituais? A Verdade já nos libertou! Infelizmente tem gente aprisionada dentro desses conceitos satânicos, que levam as pessoas a dependência dos reis espirituais, doutores em batalha espiritual, profetas da última hora. Não nos enganemos, existe muito joio no meio do trigo e precisamos nos desvencilhar desses conceitos errados para que possamos desfrutar da boa, perfeita e agradável vontade de Deus.

Como vencer a verdadeira batalha espiritual?
Conheça a Palavra de Deus;
Ore sem cessar;
Interceda por esse mundo caído e seus governantes;
Jejue para derrotar a sua carne;
Faça discípulos por toda a terra.

Com maturidade, discernimento, inteligência, fé, coerência e principalmente amor, caminhemos para o alvo que é Cristo Jesus.

quinta-feira, agosto 19, 2010

Vocês pedem apenas para gastar em seus prazeres



Tiago 4 - NVI

De onde vêm as guerras e contendas que há entre vocês? Não vêm das paixões que guerreiam dentro de vocês?

Vocês cobiçam coisas, e não as têm; matam e invejam, mas não conseguem obter o que desejam. Vocês vivem a lutar e a fazer guerras. Não têm, porque não pedem e quando pedem, não recebem, pois pedem por motivos errados, para gastar em seus prazeres.

Adúlteros, vocês não sabem que a amizade com o mundo é inimizade com Deus? Quem quer ser amigo do mundo faz-se inimigo de Deus ou vocês acham que é sem razão que a Escritura diz que o Espírito que ele fez habitar em nós tem fortes ciúmes?

Mas ele nos concede graça maior. Por isso diz a Escritura: "Deus se opõe aos orgulhosos, mas concede graça aos humildes".

Portanto, submetam-se a Deus. Resistam ao Diabo, e ele fugirá de vocês. Aproximem-se de Deus, e ele se aproximará de vocês!

Pecadores, limpem as mãos, e vocês, que têm a mente dividida, purifiquem o coração.

Entristeçam-se, lamentem-se e chorem. Troquem o riso por lamento e a alegria por tristeza. Humilhem-se diante do Senhor, e ele os exaltará.

Irmãos, não falem mal uns dos outros. Quem fala contra o seu irmão ou julga o seu irmão, fala contra a Lei e a julga. Quando você julga a Lei, não a está cumprindo, mas está se colocando como juiz. Há apenas um Legislador e Juiz, aquele que pode salvar e destruir. Mas quem é você para julgar o seu próximo?

Ouçam agora, vocês que dizem: "Hoje ou amanhã iremos para esta ou aquela cidade, passaremos um ano ali, faremos negócios e ganharemos dinheiro". Vocês nem sabem o que lhes acontecerá amanhã! Que é a sua vida? Vocês são como a neblina que aparece por um pouco de tempo e depois se dissipa. Ao invés disso, deveriam dizer: "Se o Senhor quiser, viveremos e faremos isto ou aquilo".

Agora, porém, vocês se vangloriam das suas pretensões. Toda vanglória como essa é maligna. Pensem nisto, pois: Quem sabe que deve fazer o bem e não o faz, comete pecado.

--

Precisamos ler com mais atenção as Escrituras. Esse texto de Tiago 4 foi um verdadeiro tapa na cara para mim.

Convido meus amigos a uma leitura e meditação desse texto.

Música gospel é incluída em lei de incentivo à cultura




A música gospel e os eventos relacionados a ela agora fazem parte da lista de movimentos culturais que podem receber incentivos fiscais do Governo do Estado.

A inclusão do gênero foi determinada pelo projeto de lei 3.193/10, de autoria dos deputados Jorge Picciani e Albertassi, ambos do PMDB, que modificou o texto da Lei 1.954/92 e foi aprovado em discussão única, nesta quarta-feira (11/08).

Desta forma, os produtores deste tipo de evento terão como obter junto ao governo estadual a autorização para captar recursos, junto a empresas que pagam imposto no estado do Rio de Janeiro, através de renúncia fiscal de ICMS.

A lei, no entanto, determina que os patrocinadores podem destinar à produções culturais apenas 4% do que recolhem anualmente de ICMS.

Além disso, a empresa é obrigada a usar dinheiro próprio, não apenas a renúncia fiscal, para patrocinar o evento. Por exemplo: se uma empresa patrocina um evento com R$ 80 mil de dinheiro que seria dado ao governo a título de pagamento de ICMS, é obrigada a dar outros R$ 20 mil de seus cofres.

Segundo Albertassi, a proposta impulsiona uma atividade econômica em ascensão. "Isto permite a consolidação do movimento gospel por meio do mercado, com profissionalização de novos artistas e a realização de outras atividades culturais consagradas, como festivais e passeios turísticos", afirma.

O texto foi aprovado com emenda da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), que inclui na lei todos os estilos musicais. O texto será enviado à sanção do governador Sérgio Cabral.

Fonte: Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro
Contribuição: Silvia Saron

Retirado do site irmaos.com


--
Se já está do jeito que está apenas com recursos próprios, imagina agora que teremos recursos públicos no mundo gospel!

Só lamento.

Venezuela proíbe jornais de publicarem fotos de violência




Críticos dizem que medida é censura, afirmando que fotos têm impacto político por denunciar crescimento da violência no país

Um tribunal venezuelano ordenou que dois jornais da oposição não publiquem fotos de fatos violentos, em uma medida supostamente voltada para a proteção de crianças, mas que críticos denunciam como censura.

A decisão foi tomada depois de um escândalo sobre a publicação de uma foto de corpos amontoados em um necrotério de Caracas, que, segundo o governo, era parte de uma campanha contra o Partido Socialista do presidente Hugo Chávez antes das eleições legislativas, marcadas para 26 de setembro.

A foto foi publicada na capa do jornal El Nacional na sexta-feira, sob uma manchete sobre o aumento da insegurança no país, e republicada depois em outro jornal, o Tal Cual, na segunda-feira.

O necrotério municipal recebe muitas pessoas mortas pela violência ou em acidentes de trânsito. O jornal usou a imagem para mostrar que a instituição estava sobrecarregada pelo número de corpos.

Nesta quarta-feira, o El Nacional publicou uma capa sem fotos, com a palavra "Censurado". A mídia venezuelana afirmou que a ordem havia sido estendida para as capas de outros jornais, mas as autoridades não comentaram de imediato a denúncia.

"(A mídia impressa) deveria se abster de publicar imagens violentas, sangrentas ou grotescas, independentemente de se tratar de crime ou não, porque de uma forma ou de outra elas ameaçam o estado moral e psicológico das crianças", disse o 12º Tribunal de Caracas durante o julgamento na terça-feira.

O diretor do El Nacional, Miguel Henrique Otero, defendeu a decisão do jornal de publicar a imagem, que, segundo ele, foi tirada por um de seus fotógrafos em dezembro. "O governo assumiu uma posição muito agressiva porque a foto tinha um impacto político muito grande, dado o crescimento desproporcional de crimes na Venezuela", disse ele à CNN.

A Venezuela tem um dos índices mais altos no mundo para crimes violentos, com mais de 16 mil assassinatos no ano passado, segundo cálculos de grupos não-governamentais. Por vários anos o governo não publicou o número oficial de mortos.

segunda-feira, agosto 16, 2010

Onde você está?



No princípio Deus criou todas as coisas, e como coroa da sua preciosa criação moldou e formou o homem, homem e mulher os fez.

No princípio Deus caminhava com o homem pelo Jardim, imagino que batia longos papos com sua obra prima, que possuía parte do próprio Deus através do fôlego de vida soprado em suas narinas.

Deus amou o homem, desde o começo, começo para nós, desde a eternidade para Deus. Um Pai amoroso que caminhava com seus filhos, ensinava, instruía e pedia apenas um pequeno gesto de obediência e amor.

Mas o homem se rebelou, virou as costas para seu amoroso Pai, que com uma reação quase humana pergunta: "Onde está você?"

Eis o elo rompido, as caminhadas cessadas e o homem quase que entregue à sua própria sorte.

Por causa dos pecados do homem quase a humanidade é destruída, mas Noé ainda recebe o amor do Pai que nunca esquece dos seus filhos.

O Senhor escolhe a Abraão e daí pra frente uma linhagem toda surge de pessoas consideradas Povo de Deus.

Deus mais uma vez tenta relacionar-se com Seus filhos, dá instruções de como deveriam construir uma habitação para que Ele mesmo se fizesse presente. Usa profetas, juízes e reis para continuar com seu tão amado povo. Mas seu povo continua Lhe dando as costas, caindo em muitos pecados e em aberta rebelião.

E como último recurso, o próprio Deus se fez carne, habitou no meio do seu povo, compartilha do seu sofrimento, sente as suas limitações, é testado e tentado de todas as formas, humilhado e afrontado, resiste bravamente por amor ao homem, se entrega na cruz por todos os nossos pecados.

Então o homem novamente se reconcilia com Deus, e decide de uma vez por todas, não caminhar junto, não habitar tabernáculos, mas fazer morada dentro da sua mais perfeita obra, por amor, decide não mais afastar-se dos Seus filhos e habitar Neles para todo sempre, sendo Um pela reconciliação de Cristo.

Essa é a maior história de amor que poderia ser contada.
Related Posts with Thumbnails